domingo, 28 de março de 2010

distúrbio


"Criança morta em campo de concentração nazista tem 5 mil 'amigos' no Facebook "
"Com calças curtas e sapatinhos brancos, o menino congelado no tempo recebe mensagens que se acumulam em seu mural"
"'Tenho sete anos, tenho papai e mamãe, e tenho meu lugar favorito. Nem todos têm papai e mamãe, mas todos têm um lugar favorito. Hoje decidi que ficarei para sempre em Lublin, em meu lugar favorito, com meu papai e minha mamãe', diz a apresentação de Henio no Facebook."
"Campos de concentração como os de Majdanek, onde foram assassinadas cerca de 80 mil pessoas, acabaram para sempre com aquela Lublin em que Henio sorri agora graças ao milagre atemporal do Facebook" - notícia do portal do yahoo
http://br.noticias.yahoo.com/s/27032010/40/mundo-crianca-morta-campo-concentracao-nazista.html

sábado, 27 de março de 2010

irreal











quarta-feira, 24 de março de 2010

despropósito


viver isolado em meio à multidão é como receber convites diários ao suicídio. a cada dia que começa, a cada dia que passa, é preciso recusar o convite. à certa altura, recusar sem ter argumentos. a partir do momento em que me questiono "por quê estou fazendo isso?" e quando um "porque todo mundo faz", inconsciente, deixa de ser resposta possível, então está iniciado um caminho sem volta. a partir do momento em que o sentido das coisas mais banais só pode ser entendido como um absurdo completo, a falta de propósito cria raízes profundas na própria forma de vivenciar o mundo, vivenciar as experiências cotidianas mais comuns. então, a vontade de compreensão do mundo converte-se na mudez cerebral da alienação voluntária; e as imagens repetidas rápidas do mesmo trajeto do mesmo ônibus passam diante dos olhos sem a necessidade de interpretação, sem a possibilidade de interpretação do mundo urbano homogeneizado/homogeneizante. as imagens rápidas e repetidas do mesmo trajeto do mesmo ônibus são apresentadas como as imagens dos seriados americanos. quero estar em casa em frente à t.v. na hora certa do meu seriado americano favorito, avaliando os melhores personagens, vendo genialidade na bobagem enlatada repetida.

sexta-feira, 19 de março de 2010

relações pessoais de mercado .2

1- um dia seus amigos começam a se portar como se estivessem em um seriado americano. quando isso acontece sabe-se que chegou o momento de deixá-los. friends, além de formar modelos - exemplos estéticos e morais - individuais para o jovem esclarecido de família honesta, define uma concepção de relacionamento, de amizade, que de tão desejável, de tão agradável, em breve começa a ser, para o assistidor de friends, modelo para avaliar a forma como as pessoas reais se comportam em relação a ele. o assistidor de friends se sente frustrado quando seus amigos reais não oferecem as mesmas possibilidades que os amigos de friends.

2- sabemos que friends é para os ignorantes...contudo, há um outro tipo jovem esclarecido de família honesta, este, consciente da natureza da exploração capitalista, ateu e saudavelmente individualista, convicto de que não precisa seguir as convenções morais ultrapassadas. apesar de todas estas qualidades, está sujeito a escolher seus amigos - e seus próprios gestos, vocabulário, entonação, etc - procurando pessoas que finjam ser personagens de um filme do tarantino, vestindo uma camiseta do laranja mecânica, do pink floyd, ou dos simpsons. que coma no burguer king, porque mcdonald's é para os ignorantes.

3 - para cada público um tipo de pessoa-mercadoria. para cada público um limite de liberdade ilusória de escolha sobre as pessoas com quem se quer relacionar.

domingo, 7 de março de 2010

relações pessoais de mercado: distorções e vulgarizações

as relações humanas hoje em dia se parecem com as relações de mercado. isso quer dizer que as pessoas são produzidas como são produzidas as mercadorias.
quando um casal gera um filho, suas possibilidades de consumo e seus valores são investidos neste filho.
as relações entre as pessoas são possíveis a partir do momento em que se estabelecem pontos de afinidade entre elas. no mundo capitalista-urbano-industrial-ocidental-burguês-democrático-etc, os pontos de afinidade entre pessoas surgem da coincidência entre as mercadorias por elas consumidas, uma vez que valores, visão de mundo, forma de portar-se no mundo, são intermediados pelas mercadorias; circulam junto com as mercadorias, no ritmo em que a estrutura urbana permite, com a intensidade com que a indústria cultural é capaz de definir.
então, os pais de família honestos investem em seus filhos através do que socialmente podem comprar-lhes e dizer-lhes. desse investimento cria-se no filho um certo valor (valor de troca, não o valor mencionado a cima, que é moral). esse valor se expressa na aparência, no vocabulário, nos gestos, no repertório de referenciais gerais. esse valor permite que o filho seja consumido por pessoas ou grupos formados a partir de investimentos semelhantes.