domingo, 25 de abril de 2010

sábado, 24 de abril de 2010

tédio

todas as coisas estão se deteriorando o tempo todo. as coisas e as pessoas vão lentamente sendo consumidas pelo tempo até o fim. ainda assim a aparência de imobilidade encobre a realidade, que é a realidade da morte.
uma tarde de domingo olhando para o teto, esperando pela segunda-feira. a "falta do que fazer" moderna generalizada, contamina a vontade fora do tempo de trabalho. assim, o tempo insuportável do trabalho opõe-se ao tempo insuportável fora do trabalho. a raiva de ter que obedecer a um superior se opõe ao vazio de não ter quem diga o que fazer em seguida; a impotência de ter uma série automática, previzível e repetitiva de tarefas sem sentido no tempo de trabalho, opõe-se à angústia da imprevisibilidade do curto tempo livre.
a televisão, a internet, os vídeo games, etc. preenchem o vazio causado pela ausência da obrigação.
deste modo a indústria do entretenimento tenta evitar o tédio. deste modo o motorista de ônibus recupera pacificamente sua disposição para retornar a seu trabalho mal pago e desgastante; o homem-de-meia-idade-bem-sucedido-de-classe-média evita passar o fim de semana ouvindo a esposa com suas lamúrias invejosas de clube e salão (ineficaz) de beleza; a mulher-de-meia idade-bem-casada evita abandonar o marido traidor e sexualmente impotente; o jovem de classe média pode rir sozinho diante da tela de um filme cult, do youtube, da oportunidade de vencer os alienígenas em uma décima sequência de um jogo eletrônico...
progressivamente, a rotina da vida moderna é sentida como natural e inevitável. fatalmente, as condições da produção/reprodução capitalistas provocam alienação e isolamento em todos os níveis.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

ijhosdasgsaui





"Imaginai o burguês formado segundo as regras da igreja. Ele se deita e se levanta em horas regulares. Tem suas horas de trabalho e de repouso. Nunca fará esforços muito grandes e não se afastará dos limites que traçou para si. O espírito para sua vida é a regularidade. É preciso que os dias corram numa perfeita uniformidade e que nada se altere na ordem estabelecida. O trabalho, para ele, faz parte do ritmo geral da vida; não trabalha pela necessidade de alcançar algo, trabalha para dar consistência à sua vida, que de outra forma não teria. A Igreja o abençoa por sua seriedade e por seu apego ao que está estabelecido. Certamente este burguês existe, é o empregado-modelo. A Igreja não só contribuiu para a formação de um tipo de burguesia média, mas também para povoar os escritórios. Homem de bem, este burguês modesto e organizado vai todos os domingos à missa, e todos os dias da semana ao seu escritório." - bernhard groethuysen



sexta-feira, 16 de abril de 2010

mediocridade miséria

1- a cada novo acontecimento de sua vidinha sem sentido, o jovem digitalmente incluído vai ao orkut, ao facebook, ao twitter, ao seu novo blog, e publica suas atualizações. fim de namoro, começo de namoro, morte na família, brinquedo novo, qualquer coisa; tudo diz respeito a todos. assim que alguma bobagem sobressai em meio à monotonia miserável da regra, impõe-se a necessidade de trocar dados, apagar depoimentos, excluir ou incluir amigos, excluir ou incluir fotos, vídeos, buddy poke, colheita feliz...
2- sempre que o homem médio começa a falar sobre seu sonho de ganhar na mega-sena, começa uma confissão de mediocridade. no dia-a-dia, em sua escravidão cotidiana, tudo vai sempre bem. na escravidão cotidiana ele diz a si mesmo e aos outros, que gosta do que faz no trabalho, que ama sua família, sua cidade, seu bom e velho carro popular, sua modesta e confortável casa. tudo muda assim que se imagina milhonário. largaria todos estes afetos modestos para morar na europa, etc.
apesar da insatisfação constante e generalizada, negar-se a continuar está fora de questão. o homem médio e seus descendentes permanecem acorrentados ao "imutável", "às coisas como fatalmente são", até que uma montanha redentora de dinheiro venha do céu trazer-lhes felicidade.

ensaio sensual com bolinhas

"Nenhuma mulher reclama do rótulo de sexy"
clique para aumentar...

notícia do portal terra
mercadoria do fetiche

segunda-feira, 5 de abril de 2010

megan fox holocausto .2 ou a sociedade do espetáculo

logo pela manhã as notícias do jornal de nome "bom dia brasil", vão aos poucos informando e entretendo. sempre aos poucos, nada de choques excessivos, nada de sequências excessivamente depressivas. queda de barracos na chuva, nascimento de pandas em cativeiro, terroristas, receita de bolo, fogo no orfanato, cultivo de orquídeas, fatos de brasília, gols da rodada. mau, bom, mau, bom...as imagens vão compondo contrastes absurdos, acompanhados pela mudança da expressão facial do apresentador: feliz, triste, feliz, triste...
as imagens em contraste acumulando-se agressivamente na mente, compondo sentidos absurdos. desligo a televisão antes que comece o programa da ana maria braga; antes que me sinta forçado pelo programa de nome "mais você", a vomitar minhas vísceras pelo chão. depois disso, maquinalmente, devo ver meus e-mails. abro a internet na página inicial de notícias do "terra". eis que no mesmo espaço há notícias sobre o big brother, todas as a famosas que foram à praia (portanto de bikini) e todas as notícias mais sangrentas - o problema não é a exposição do sangue; o problema é a exposição do sangue pelo sangue, sem relação com sua causa social: o modo de produção capitalista. na internet a montagem do mundo em imagens desconexas não aparece apenas sucessivamente, como na t.v.; na internet as imagens são apresentadas simultaneamente, e junto com texto (escrito), e junto com links para vídeo, etc.
em um momento vejo fotos da megan fox, no outro, na mesma página, a homenagem de facebook a um menino morto no holocausto! uma enxurrada de construções de imagens, de representações e mentiras sobre o mundo; as coisas e os valores deslocados no tempo e no sentido, tudo ao mesmo tempo, tudo como uma mesma coisa. hoje em dia a megan fox de biquini e o judeu morto em 1945 têm o mesmo fim: chamar a atenção do consumidor para os intermináveis anúncios de todas as mercadorias nas bordas das páginas da internet.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

megan fox holocausto












megan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocaustomegan fox holocausto
http://reescritadetudo.blogspot.com/2009/12/violencia-miley-cyrus-violencia.html

double trouble


"I lay awake at night can't sleep just so troubled
It's hard to keep a job, laid off and havin' double trouble
Hey, they say you can make it if you try
Yes, in this generation of millionaires, it's hard for me to keep decent clothes to wear
You laughed at me walkin' baby, when I had no place to go
Bad luck and trouble have taken me, I have got no money to show
Hey, hey, to make it you've got to try, baby, that's no lie
Yes, in this generation of millionaires, it's hard for me to keep decent clothes to wear" - otis rush