sábado, 29 de maio de 2010

humanidades

1- algumas vezes o filho da classe média resolve ser estudante de ciências humanas. entretanto, seu orgulho pelo desgosto que provoca nos pais é o máximo onde pode chegar sua rebeldia. de resto, o estudante de ciências humanas filho da classe média difere de engenheiros e estudantes de outras áreas técnicas, na medida do possível, apenas na aparência. o engenheiro, produto e agente de reprodução do capitalismo, é o tipo a partir do qual o estudante de ciências humanas filho da classe média constrõe, por oposição, sua identidade. no entanto, apesar de suas roupas e opiniões políticas serem diferentes das dos estudantes de engenharia, em suas atitudes e modo de vida o estudante de ciências humanas filho da classe média sustenta os mesmos privilégios de classe e preconceitos sociais que seu outro expressa em suas atitudes, modo de vida e opiniões políticas.
2- depois de alguns anos de leituras mal feitas, o estudante de ciências humanas filho da classe média começa a se sentir muito esperto. a habilidade de distorcer as coisas garante a possibilidade de justificar seu egoísmo como sendo autonomia; de disfarçar suas atitudes irresponsáveis como se fossem ruptura com valores-hegemônicos-burgueses-dominantes; e de fazer parecer que seu conformismo é consciência da insignificância do sujeito na história e consciência da natureza puramente discursiva da noção de verdade.

3 comentários: