terça-feira, 24 de agosto de 2010

terminal central

o sindicato resolveu fechar os portões do terminal central. isso durou quase uma hora. uma hora da tarde e o 3.30 lotado parado no terminal fechado, transformou-se em sauna de calor humano. à essa altura, as estudantes universitárias, já suadas e estressadas, sofrem por não terem seus próprios carros; reclamam porque estão atrasadas e perderão a primeira aula, "é uma falta de respeito", "um absurdo". em outra parte um homem de meia idade e, certamente, baixo salário, declara "se fosse em são paulo já tinha resolvido! chamava a tropa de choque e abria logo o portão". um motorista responde à pressão dos passageiros "não quer esperar, sai do ônibus e vai à pé!". outro motorista comenta com um cobrador "bando de vagabundos! a gente aqui querendo trabalhar!" não era greve, nem paralisação; o sindicato fechou os portões. ninguém sabe. de repente passa um louco e ri sozinho, depois um bêbado - no terminal central os bêbados são bêbados em tempo integral. finalmente o sindicato abre os portões; os ônibus saem e a vida segue. os mendigos continuam aos montes pelo chão, catando nos lixos, sujos, cambaleando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário