domingo, 28 de novembro de 2010

humanidades .3

hoje em dia só tem valor o que pode servir para produzir lucro. só tem valor o que pode servir para produzir o lucro alheio; tem reconhecimento o sujeito que estuda para servir a uma empresa qualquer, um sujeito cuja formação lhe garanta um emprego com bom salário e motivação para contribuir com os ganhos da empresa que o paga bem.
a universidade forma o profissional qualificado para o mercado de trabalho, e este é o sonho de todo cidadão honesto.
esta função social da universidade coloca o estudante de ciências humanas no papel do bom leitor de textos, incompreendido e inútil.
a universidade irreversivelmente atrelada ao poder do capital privado, aniquila a legitimidade e a importância do estudo das idéias.
o estudante de ciências humanas, ideologicamente convencido da inutilidade de sua função, desiste. depois de desistir ele irá procurar um emprego decente que agrade seus pais.
mas também há os melhores militantes anticapitalistas. eles também descobriram a inutilidade do estudo das ideias, dos conceitos, de todo esse trabalho lento de biblioteca e de compreensão teórica falida.
os melhores militantes anticapitalistas entenderam que as transformações dependem de ações; descobriram que o estudo acadêmico de textos é perda de tempo elitista.
involuntariamente, os melhores militantes anticapitalistas apoiam a opinião dos melhores militantes capitalistas sobre a inutilidade das ciências humanas.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

red dead redemption

hoje em dia a tarefa protetora da mãe moderna consiste principalmente na preservação da moral sexual dos filhos - e filhas. em sua tarefa de vigilância educativa a mãe censura o acesso dos filhos a certas liberalidades da sociadade corrompida na qual tem a difícil missão de criá-los. curiosamente a censura ao sexo parece ser levada muito mais à sério que a censura à violência e ao preconceito - tanto racial, como social e de gênero.
"esse jogo não tem pornografia, né?", pergunta a mãe preocupada com a educação de suas crianças. como não tem, de fato, a criança está liberada para divertir-se com red dead redemption.
mas red dead redemption é um jogo acessível para adultos capazes de possuir um playstation 3. é um público composto por pessoas que chegam cansadas do trabalho e têm neste jogo um entretenimento terapêutico. durante horas poderão desligar-se um pouco do stress cotidiano para matar mexicanos bêbados e amarrar prostitutas de saloon na ferrovia, apenas pelo prazer de assisti-las sendo estraçalhadas pelo trem. tudo em um belo cenário western gerado pelo que há de mais avançado em termos de computação gráfica.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

salão do automóvel

clique na imagem para aumentar
"O homem é um ser de desejo. Daí, explica-se parte do sucesso dos salões do automóvel pelo mundo"
"Ao lado das supermáquinas, claro, estão as supermulheres, tornando os veículos mais desejáveis do que eles possam parecer. Vestidas como femme fatale, elas e os carros são uma combinação explosiva no imaginário masculino"
"apenas a Volkswagen fez um agrado, investindo em um Espaço Mulher. Lá, elas têm as unhas pintadas com as cores dos veículos da marca e ganham um kit com três esmaltes"
"A primeira a fazer isso [mais prestígio ao público feminino], vai se dar bem. Afinal, as mulheres não resistem a uma relação romântica, especialmente para a aquisição de um símbolo de poder e liberdade individual como um automóvel zero e brilhante."

matéria do yahoo sobre o salão do automóvel
http://br.especiais.salaodoautomovel2010.yahoo.com/noticia/post/salao_do_automovel/63/as-mulheres-no-salao-do-automovel.html

domingo, 7 de novembro de 2010

guerra ao terror

a monotonia da vida cotidiana no mundo capitalista chega a tal extremo que todo o sentido se perde no contato com a morte. a morte banalizada na guerra imperialista sem sentido revela ao soldado desarmador de bombas a falta do sentido da perpetuação da família americana típica. de volta do iraque, o dilema maior ao qual está submetido o soldado, agora convertido em cidadão comum - consumidor -, está em decidir, diante da estante infindável do supermercado, qual marca de cereal escolherá para o café da manhã. o cidadão americano comum/consumidor é livre para escolher o cereal que mais lhe agrade.
diante da monotonia cotidiana insuportável e sem sentido, o soldado retorna ao iraque para vivenciar a existência de forma mais intensa: na tarefa de desarmar bombas a proximidade da morte revaloriza a vida a cada momento.
entretanto, o soldado, mesmo em sua fuga individual da angústia generalizada, na verdade está a serviço do capitalismo imperialista americano. seu ofício perigoso e empolgante de desarmador de bombas, fatalmente é parte de um projeto maior; a guerra no iraque tem como objetivo tornar o cidadão comum iraquiano um consumidor livre para escolher o cereal americano que mais lhe agrade.