quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

o anticristo

"a natureza é a igreja de satã".
o maior medo é o medo de si mesmo; o medo do que há de desconhecido e obscuro no homem em estado de natureza. a explicação racional da natureza é o recurso humano contra o medo e, ao mesmo tempo, instrumento de dominação. o homem domina pela razão os sujeitos considerados portadores da escuridão primitiva das florestas, portadores da morte. a razão moderna é uma invenção masculina, mas com pretensão de alcance universal. a mulher é considerada irracional e precisa de controle. a razão moderna é uma invenção burguesa, mas com pretensão de alcance universal. o pobre é considerado irracional e precisa de controle. a razão moderna é uma invenção européia, mas com pretensão de alcance universal. o não-europeu é considerado irracional e precisa de controle.
na floresta, onde predomina a escuridão, predomina também a morte, como regra. "a natureza é a igreja de satã". a civilização racionalmente organizada pretende o controle - ou a ocultação da morte. o contato com o que resta de escuridão - o contato com a morte -, ativa o medo primitivo.
a luz fraca da razão faz o que pode, até que seus artifícios não suportam mais o peso da grande massa de excluídos. o psicanalista - limite da pretensão da razão, vencedor apenas por hora -, é cercado pelas mulheres oprimidas de todos os tempos, que saem da floresta para enfim sufocá-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário