terça-feira, 19 de abril de 2011

"O burguês, para quem a vida se
divide em negócios e vida privada, a vida privada em representações e
intimidade, a intimidade na repugnante comunidade do matrimônio e na amarga
consolação de estar completamente só, separado de si e de todos, virtualmente
já é o nazista, ao mesmo tempo entusiasta e injuriante, ou o moderno habitante
das metrópoles, que só pode conceber a amizade como social contact, como a
aproximação social de indivíduos intimamente distantes." - adorno e horkheimer, indústria cultural e sociedade


a televisão ocupa o centro da sala e o centro das relações pessoais em família.
(a família é uma unidade de produção)
a ordem estabelecida pela centralidade da televisão é mantida, quando preciso, pelo uso da força.

não há mais festa, música ou diversão sem que se provoque na sociedade civilizada um incômodo insuportável. a família educada, incomodada com a diversão alheia é a forma definida de um tipo escravizado pelo trabalho-alienado-bem-assalariado.
a atitude de retirar-se de situações nas quais possa acontecer algo além do monótono é encarada como etapa natural da vida: trabalhar para dormir/dormir para trabalhar; televisão...


Nenhum comentário:

Postar um comentário