sexta-feira, 22 de julho de 2011

"é a família que salva o meu rabo quando eu tomo no cu
smac"
o filho bem educado de uma família razoavelmente estável cria aversão teórica/simbólica ao capitalismo. esta convicção o leva a modos alternativos de viver e à recusa de uma carreira reconhecida pelo mercado. apesar de tudo, este filho bem educado, diante de eventuais fracassos sempre poderá recuar estrategicamente para a família, onde será acolhido.
o filho de uma mãe solteira, criado na favela, se quiser ser alternativo ao invés de ser obediente e humilde, será acolhido na cadeia - ou no hospício, como lima barreto.

7 comentários:

  1. nada arthur. esse último exemplo de filho também pode ser acolhido pela mãe na favela(apesar da cadeia estar mais pra ele do que pro da "família estável", claro). o conservadorismo da família não está no acolhimento ou no não acolhimento.

    o conservadorismo estará na hora do acirramento das contradições: como o juninho vai mostrar pra família seu namorado? como o juninho vai defender seu direito de fumar um baseado em casa? como o juninho vai defender uma lei que transforme moradia em direito - ao invés de mercadoria - sendo que seu papai tem casas de aluguel? como juninho irá defender a expropriação da fazenda de seu vovô?

    http://1.bp.blogspot.com/_G4xmm9pbZGg/TTLHvqjNNfI/AAAAAAAAAQA/VTJOfqdk9qM/s1600/amor.jpeg

    ResponderExcluir
  2. é... pelo texto do arthur (aliás, a foto está muito bem escolhida, como de costume) eu novamente afirmo: ter família pra salvar meu rabo é bom demais da conta...

    tanto melhor se o filho de uma mãe solteria também a tivesse...

    vamos todos defender a família contra a tradição e a propriedade?

    (aliás, o manifesto comunista trata disso)

    jão... esse quadrinho da amanda entra em contradição com o que você botou hoje da teresa...

    smac, smac, txau txau

    ResponderExcluir
  3. Acho q vc tem razão jão.
    Mas é q to com umas desconfianças ultimamente. To pensando q se pá a dominação de classe acontece nas coisas pequenas. É no almoço da família q tá colocado o q é digno, o q é um valor verdadeiro, a beleza do q é ser mãe, o exemplo do pai honesto e trabalhador q paga seus impostos. Imagina a ceia de natal, presentes, o primeiro carro depois da formatura da faculdade..
    Então vc tem razão, é o conservadorismo, só q conservadorismo não é só proibição e repressão, mas é primeiro a construção de condições q, a não ser por acidente, não vão levar o Juninho nem a querer o baseado ou a expropriação do q quer q seja.
    O conservadorismo não se reproduz abstratamente, ele se expressa em gestos mínimos, mas concretos. Mas tenho q pensar ainda sobre isso

    http://batatasemumbigo.blogspot.com/2011/07/batatas-life_07.html

    ResponderExcluir
  4. peixe, não vi a contradição. me mostra. escreve aí alguma coisa que mostre isso. bração procês.

    ResponderExcluir
  5. talvez tenha a ver com a discussão...ou não: http://veja.abril.com.br/201004/entrevista.html
    acabei de ler... por indicação do Mathias....

    ResponderExcluir
  6. jão, achei que era complicado demais te responder e deixei pra pensar melhor... pensei, mas esqueci o ponto exato que queria dizer... (heheh)

    mass a questão me parece mais complicada que amandas e terezas e modelos de família e modelo de gente...

    acho que a "liberdade" o que quer que isso seja deve passar por abrir mão em nome de um desejo -seu - maior (ainda que mais ou menos provisório) como amanda... uma sociedade de todo mundo belezinha é fascista... uma sociedade de um monte de amandas também...

    acho que do jeito que a coisa vai é difícil distinguir o que é fascismo do que não é, porque parece que tudo é, mas talvez não seja...


    ou seja. não tenho a menor idéia do que eu to falando...

    smac

    ResponderExcluir
  7. sobre a família. eu acho o argumento do arthur um pouco simples demais na medida em que eu não acho que o problema está na família em si. por um motivo que me parece claro - embora não seja:

    a minha família classe média provinciana é bastante conservadora, mas muito muito muito menos que a tv globo, a escola, a universidade, a igreja, o estado e blábláblá...

    na sociedade imbecil em que vivemos a minha família é progressista pá dedéu. (e é claro, algumas são ainda mais)... ela é muito mais (e poderia ser mais ainda) uma resistência contra a endireitação ainda maior que eu poderia ter sofrido...

    concordo com o arthur que o conservadorismo se reproduz concretamente (aliás, isso tem a ver com aquele troço de micropolítica, micropoder, do fucô? eu acho que sim, e concordo com isso também)

    as famílias são contraditórias... como tudo o mais... e não em si isso ou aquilo...

    mas to confuso agora tb...

    qualquer hora tento me explicar melhor.. agora vou comer..

    smac

    ResponderExcluir