domingo, 1 de janeiro de 2012

os espartanos eram poucos, mas organizados de acordo com o princípio da razão.
as hordas bárbaras da ásia - sexualmente pervertidas, escravizadas pelo misticismo de um rei-deus - apesar de sua superioridade numérica, não puderam resistir ao chocarem-se com os valores virtuosos dos gregos: sobriedade e moderação.
o pai de família mais desavisado, entretido diante de 300, descobre como as coisas realmente foram naqueles tempos antigos.
em meio às cenas de ação e efeitos especiais, os valores ideológicos imbutidos na narrativa do filme passam da tv para o repertório de idéias sobre o mundo do pai de família assalariado com pretensões a um carro novo e casa própria. passivamente, durante o entretenimento, são confirmados os elementos que compõem as noções de certo e errado da classe média. (em 300 justifica-se a intervenção dos eua no iraque)

Nenhum comentário:

Postar um comentário