quinta-feira, 13 de junho de 2013

capital, ideologia, alienação e crise

o papel da imprensa no modo como noticia protestos de rua é garantir o controle social. a criminalização imediata das manifestações públicas tem como objetivo psicológico sensibilizar os setores conservadores da sociedade. a imprensa atinge mais os velhos que os jovens e, deste modo, mais os pais de família que seus filhos. a imprensa atinge, portanto o medo de mudanças que domina o senso de estabilidade de uma geração confortavelmente vazia e orgulhosa de sua disciplina e devoção ao dever. é a falta de propósitos como motor improvável da vida.
os pais têm o papel de formação dos valores dos filhos, o que eventualmente se confunde com o papel de reproduzir concepções conservadoras sobre a sociedade. os pais, sensibilizados pela visão transmitida pela imprensa dominante e amparados num senso comum portador de verdades intransigentes, ao lidar, em casa, com o filho envolvido em protestos – tarde demais, portanto – desempenham a função de fazer a repressão privada das manifestações públicas nas quais se envolveu o filho.
a violência policial, o desrespeito do estado ao exercício da cidadania e a exposição sem reflexão de imagens e fatos (e distorções sutis) pela imprensa são extensões de diversas relações sociais de auto-repressão e servidão voluntária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário